Nossos

CONTEÚDOS

#CONTEUDO

Os mercados e  profissionais precisam se adequar e se manter atualizados diante das informações e dos fenômenos ao seu redor, por isso conteúdo é tão importante.

A importância do nome na construção de marca



Identificar as pessoas, os animais, os objetos e os lugares, sempre foi uma necessidade humana. Quando você nasce, ganha um nome. Ao se locomover para algum destino, diz o nome do lugar, e assim por diante.

Os nomes têm como função básica a identificação e, principalmente, a individualização. O nome ajuda a dar personalidade às coisas.

No universo das marcas, o nome tem essa mesma função de identificar e tornar única uma empresa, diante das 18 milhões de outras empresas existentes no Brasil. 

Escolher o nome é o primeiro passo para criar e construir a identidade da marca. A construção de marca, ou como muitos dizem hoje, o branding, depende muito da boa escolha do nome. Um nome poderoso é fundamental para obter uma marca poderosa. 

No marketing, a atividade de criar, definir e controlar a identidade verbal – junção do Nome, tom de voz e slogan – é chamada de Naming.  

Como você pode ver, a escolha do nome para uma empresa vai muito além do gosto pessoal de seu criador. Deve ser analisado com a devida importância e pensado estrategicamente, considerando os vínculos e associações que poderão ser criados na mente das pessoas, o alinhamento com o propósito da empresa, a fonética que pode variar de região para região e interferir na pronúncia e lembrança da marca, além da facilidade de compreensão e originalidade.

A pesquisadora e semioticista Clotilde Perez, em seu livro Signos da Marca (2204), diz que “o nome é um designativo, um sinal, que prenuncia um caminho, dá uma ideia, nos leva, muitas vezes, a um entendimento prévio a respeito daquilo a que estamos nos referindo. Da perspectiva mercadológica, é a parte da marca constituída de palavras ou letras que compreendem uma designação usada para identificar e distinguir as ofertas da empresa e as dos concorrentes”.

Nesse processo criativo, existem classificações com direções que podem ser seguidas na criação do nome. Caminhos que servem de guia para a escolha. Veja quais são:

1. Nomes descritivos

São os nomes que apresentam de forma sintética os atributos ou benefícios da identidade da empresa. Exemplos: Volkswagen (carro do povo, em alemão), Amor aos Pedaços, Natura, Burger King e Bombril. 


2. Nomes simbólicos

Nestes casos, os nomes fazem alusão à empresa mediante uma imagem literária construída. Exemplos: Nike (nome inspirado em Níkē, deusa grega da vitória) e Mitsubishi (três diamantes, em japonês, representando resistência e preciosidade).


3. Nomes patromínicos

Nomes que fazem alusão à empresa mediante o nome próprio ou o sobrenome de uma personalidade-chave da mesma: dono, fundador, familiar etc. Exemplos: Ferrari, Disney, Ford e Nestlé.


4. Nomes toponímicos

Os nomes toponímicos estabelecem uma ligação com o lugar de origem ou a área de influência da empresa. Exemplos: Pão de Açúcar, Morumbi Shopping, American Airlines e Santander.

5. Contrações

Nestes casos, é criada uma construção artificial que pode ser mediante iniciais ou fragmentos de palavras. Exemplos: 3M, Fedex (contração de Federal Express) e Sadia (contração de Sociedade Anônima Concórdia).


6. Nomes inventados.

Criações originais que não encontram na língua um sentido prévio. Geralmente, busca-se na fonética uma forma de representar o produto ou apenas para dar mais sonoridade. Exemplos: Pepsi, TicTac e Zoomp.


Se você gostou desse texto e quer saber mais sobre como o branding pode ajudar sua marca, fale com a gente


0 visualização

NOSSA EMPRESA

Há 39 anos ajudando empresas e pessoas do estado de São Paulo a alinharem suas expectativas com a sua realidade.

#criatividade #inovação #comunicação

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
Santos

Av. Ana Costa 59

4º andar 

São Paulo, SP

São Paulo

Rua dos Buritis, 128 

cj. 401-B

Jabaquara - São Paulo, SP

(11) 5011-7987

sp@egocomunicacao.com

© 2019 por Ego Comunicação